quarta-feira, 28 de julho de 2010

A AUTENTICIDADE DA PROFECIA – Lição 5

No quesito autenticidade só existe uma maneira de verificarmos se a palavra é autentica ou não! E este é a Bíblia a palavra do nosso Deus, que é a balança e aferidor de toda verdade. Não nos deixemos levar pelo carisma e eloqüência do transmissor de uma palavra profética, pois, por mais persuasivo que seja o tal, temos que avaliar tudo for dito a luz a palavra de Deus. Quando um dito profeta exige um crédito imediato, sem reflexão do ouvinte, ameaçando muitas vezes aqueles que podem estar duvidosos, descarte imediatamente tal mensagem, pois Deus nos deu o direito de analisar e julgar a palavra profética para nos certificados se é ou não da parte de Deus.

A HISTORIA DO MUNDO TEM SIDO UM REFERENCIAL

O tema profecia sempre despertou interesse em todos os níveis da existência humana, de forma geral as pessoas ficam um tanto fascinadas quando ficam sabendo que alguém possui o dom profético, isto é tem a capacidade de revelar coisas que estão ocultas e ainda estão para acontecer. No mundo atual são incontáveis a quantidade de pessoas em diversos ramos religiosos que se dizem dotados de um dom sobrenatural para exercer o oficio profético. Todavia, as Escrituras Sagradas enfatizam a atividade profética de uma forma muito ampla, estabelecendo parâmetros e pré-requisitos para que essa prática seja autenticada conforme palavra do Senhor. A autenticidade da profecia se baseia no fato de que o verdadeiro profeta trata-se de alguém, homem ou mulher que tenha sido escolhido por Deus, o eterno criador dos céus e da terra, para ser seu porta voz entre os homens. Numa perspectiva teológica podemos afirmar que a Bíblia encerra no seu contexto toda a revelação de Deus para a humanidade , tudo que o Senhor deseja transmitir aos homens foi dito por meio do Antigo e Novo testamento. Por isso, o livro de Apocalipse conclui dizendo que qualquer um que tirar ou acrescentar alguma coisa a esta profecia será amaldiçoado. Hoje não temos mais o ministério profético conforme os moldes do antigo testamento, o "assim diz o Senhor" está relacionado às peculiaridades que envolvia ofício profético naquelas circunstâncias. Talvez por não compreender as profundas diferenças que existem entre ato profético daquele período e dom profético exercido na atualidade, que algumas pessoas têm utilizado está expressão com intuito de autenticar alguma ação pretendida como profetica. A maioria de nós já ouvimos falar de Nostradamus, um homem que ficou conhecido mundialmente como profeta e conquistou um grande número de discípulos e admiradores. As supostas profecias de Nostradamus são de alta complexidade, escritas por meio de códigos e compreensíveis somente por estudiosos dedicados, que produzem os significados a partir da contemplação dos eventos, muitas depois dos fatos já ocorridos. E assim, ocorre com muitos outros tantos profetas que apareceram através de toda historia da humanidade. Todavia, com a bíblia acontecesse de forma diferente, pois, as profecias bíblicas estão registradas de forma clara e objetiva e de fácil interpretação. Outros documentos religiosos, tais como o alcorão maometano e o livro de mórmon, podem declarar ser a palavra de Deus, porém falta-lhes a validez que se comprova pela profecia anterior e o seu subseqüente cumprimento, e pela presença em todas as partes do Redentor humano e divino, deixando notório que eles não contêm as provas de autenticidade que há na Bíblia (por exemplo o fenômeno das profecias cumpridas). Sendo o registro da santa vontade de Deus para o homem, a Bíblia tem a máxima importância para esclarecer corretamente o sentido verdadeiro das revelações que ela mesma contém.

EVIDENCIAS INTERNAS DA AUTENTICIDADE DA PROFECIA DIVINA

Muitas profecias bíblicas já tiveram o seu cumprimento na história, de forma parcial ou total, algumas estão tendo o seu cumprimento na atualidade. Isaías é conhecido como o profeta messiânico, pois o seu livro reúne um grande número de profecias com relação ao Messias prometido a nação de Israel. Tais profecias foram proferidas 7 séculos antes do Nascimento do Cristo, porém, é inquestionável o seu cumprimento integral acerca do tempo, local, circunstâncias e vários outros aspectos. O profeta anuncia o extraordinário nascimento virginal do Messias (Is 7.14); Os atributos divinos (Is 9.6). E no capítulo 53 temos informações precisas sobre a trajetória da vida dele e também detalhes da obra expiatória de Jesus. Os manuscritos encontrados no Mar morto nas cavernas de kunran em meados do século XX, comprovaram a grande fidelidade dos escritos de Isaías. Ainda nesse livro temos o caso de Ciro, o monarca persa, o qual Deus chamou pelo nome 150 anos antes do seu nascimento (Is 44.28).

O cap. 37 do livro de Ezequiel constitui-se numa das grandes provas da autenticidade das escrituras, é uma das profecias mais claras sobre o despertamento nacional e espiritual do povo Israelita. Fato que está em curso nos dias modernos e todos podemos testemunhar.

No livro de Daniel temos uma descrição detalhada dos quatro últimos impérios mundiais: Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma, antes que eles surgissem no cenário da história mundial (Dn caps. 2 e 7).

A maior autenticação da profecia foi dada pelo Senhor Jesus ao citá-la como referencial de verdade em várias ocasiões e também confirmou a origem divina das Escrituras proféticas, como também credenciou os profetas como mensageiros constituídos e enviados por Deus. O próprio Jesus exerceu o ofício profético, pois em vários momentos registrados no Novo testamento Ele proferiu palavras proféticas. No Evangelho de Mateus 24.1-2, encontramos os discípulos fascinados com estrutura do templo e procuravam chamar a atenção de Jesus para aquele esplendor arquitetônico, porém, o interesse dele era que os discípulos estivessem focados nas realidades proféticas, por isso, ele lhes responde "Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará pedra sobre pedra, que não seja derrubada". Hoje sabe-se claramente que Jesus estava proferindo uma profecia com relação a destruição de Jerusalém que haveria de ocorrer no ano 70 d.C pelas tropas romanas comandadas pelo general Tito, filho do imperador Vespasiano. Flávio Josefo, historiador do primeiro século, registra esse fato histórico e também faz uma menção ao templo extremamente relevante para confirmarmos a autenticidade da profecia. Josefo registra que o General teria feito uma recomendação para que os soldados romanos poupassem o templo, porém, durante a investida um grupo de soldados que não teriam entendido tal ordem, investiram contra o templo com tanta fúria que até as bases da edificação foram arrancadas. O equívoco romano foi necessário para o cumprimento integral das palavras do Senhor "..Não ficará pedra sobre pedra..".

EVIDÊNCIAS EXTERNAS DA AUTENTICIDADE DA PROFECIA

Os grandes líderes, teólogos, mestres, professores e eruditos dos primeiros séculos que sucederam os apóstolos, ficaram conhecidos como os pais da igreja. Entre eles estão Inácio, Policarpo, Justino Martir, Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria, Eusébio, Atanásio, Jerônimo, Agostinho e outros. O testemunho destes homens autentica a composição e trajeto histórico das Escrituras. Suas citações são de suma importância, primeiro por causa da devoção deles a Deus e à sua Palavra, eles foram cuidadosos em copiar os textos. E, segundo por terem vivido perto dos dias apostólicos. È provável que tivessem acesso a manuscritos que existem mais hoje. Há possibilidades que alguns tivessem acesso aos próprios originais.

Outra evidência a favor da autenticidade da bíblia é a descoberta dos Rolos do Mar morto, em março de 1947. Foram encontrados cerca de 350 rolos, os quais foram considerados uma das maiores descobertas arqueológicas do século XX. Escritos pelos essênios um século antes de Cristo. Partes de cada livro do Antigo testamento foram encontradas, com exceção de Ester. De especial interesse são os rolos do livro de Isaías, porque um dentre os dois encontrados é o livro completo desse grande profeta. Trata-se de um manuscrito hebraico de Isaías mil anos mais antigo do que qualquer outro já descoberto. De maneira notável os rolos confirmam a exatidão do texto massorético do Antigo testamento.

CONCLUSÃO


Na minha opinião este é um dos assuntos mais abrangentes que existem no universo da teologia cristã, porque são abundantes as evidências a favor da autenticidade da profecia divina. Creio que a importância desses argumentos se dão no nível teológico e acadêmico. Todavia, dificilmente tais elaborações são suficientes para convencer aqueles que fazem oposição sistemática a fé cristã, pois os tais estão sempre munidos de contra-argumentações baseadas em ceticismo fanático. Por outro lado quando as pessoas se despojam da presunção humana e abrem o coração, a palavra do Senhor descrita no livro de Hebreus como "A espada de dois gumes" , penetra intimamente e proporciona ao ser humano uma experiência de mudança real incomparável. O fator vivificante da Profecia divina é a maior prova de sua autenticidade, da qual milhões podem testemunhar "se alguém está em Cristo nova criatura é...". Essa afirmação do apóstolo Paulo é confirmada todos os dias nas milhares de vidas são vivificadas espiritualmente por meio do Evangelho de Cristo.

Um comentário:

  1. Graça e Paz

    Quero te apresentar o ministério de evangelismo Siga o Mestre agora com uma ferramenta na internet: o Blog, com publicações que tratam o evangelismo e o discipulado através do testemunho diário, com reflexões sérias sobre o universo cristão.

    Nossa missão é provocar, de forma racional, a prática radical da nossa fé, pois é preciso entender que é necessário morrer para que o mundo seja alcançado.
    Renúncia, responsabilidade e disposição são os segredo daqueles que querem seguir o Mestre.

    Ajude-nos a promover esta idéia, venha nos conhecer, participe, comente, siga com a gente.

    Se abençoamos sua vida, você pode fazer parceria com o Siga o Mestre, e assim servir de apoio na divulgação de nossas publicações que são voltadas para o que consideramos a real necessidade da igreja atual: ATITUDE, e sobre isso escrevemos.

    Parece simples, mas como diz o Juliano: "torna-se difícil quando a igreja se recusa a morrer para que outros possam viver".

    Forte abraço em Jesus, o Mestre.
    sigaomestre.blogspot.com

    ResponderExcluir