quinta-feira, 23 de abril de 2009

SÍNTESE SOBRE O HINDUÍSMO (parte - 1)

Períodos históricos da Índia relacionados a sua evolução religiosa:

1- Período védico–Bramânico – até 600 a.C.
2- Período da reação antibramânica – de 600 a.C. – 300 d.C.
3- Restauração do bramânismo até a conquista mulçumana (300 d.C. ao século XI).
4- Período mulçumano-mongol (século XI – XIX ).
5- Período da dominação britânica ( século XIX).
A origem do hinduísmo remonta a 1500 a.C. Atualmente conta com mais de 500
milhões de aptos. Não é uma religião missionária, como ocorre com o cristianismo e o islamismo. Só são considerados híndus, aqueles que nascem como tal.

DEFINIÇÃO:
O hiduísmo é um sistema religioso eclético, pois abrange uma diversidade muito grande de crenças. “É uma religião de espetáculo, de mitos e de práticas mágicas como também uma religião profundamente interiorizada . . . é uma religião popular, mas também de sábios” (Tácito da Gama).
“Pela sua relação com todos os aspectos de vida, o hinduísmo tem mais expressão sócial do que religiosa propriamente. Modela a estrutura social, desde os atos comuns da vida diária e, inclusive, a literatura e a arte.” (J. cabral).

FONTES RELIGIOSAS:

OS VEDAS - Significa sabedoria ou conhecimento. ?Trata-se das escrituras mais antigas do hinduismo, composto durante um periodo de 4 mil anos, começando apartir 1.400 a.C.

DIVISÕES DOS VEDAS:
a) Rig-veda – Contém 1028 hinos (mantras), hinos de louvor as divindades.
b) Sama-veda – Toma mantras do Rig-veda. E são apresentados em formas de cânticos com acompanhamento.
c) Yajur-veda – Ou “veda das fórmulas”, fórmulas que acompanham a liturgia.
d) Athara-veda – De caráter mágico ou explicativo.

EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO HINDUISMO.
1) Adoração a natureza ( até o ano 1000 a.C.) – Vedismo
2) Hinduismo sacerdotal ( 1000 – 80 a.C.) - O bramânismo
3) Hinduismo filósofico ( 800 – 600 a.C.) - Os Upanixades
4) Hinduismo legal ( perto de 250 a.C. ) – As leis de Manu
5) Hinduismo devocional (perto do ano 1 d.C.) – As epopéias e os puranas
6) Hinduismo popular ( 1 – 250 d.C.)

VEDISMO

O BRAMÂNISMO – A religião primitiva evolui para um sistema de cerimônias e sacrifícios, sob a direção dos sacerdote brâmanes.

OS UPANIXADES – transmitem os ensinos em forma de discursos, parábolas, diálogos, máximas. Se os vedas sintetizaram o conhecimento, o dever e o poder de casta, os upanixades revelaram a elaboração doutrinária dos mestres e escolas, dentro de uma especulação filósofica. A religião desse período se caracteriza pela fixação do absoluto e pelo conceito de brahma. Brahma é definido como o ser supremo - absoluto, infinito, eterno, onipresente, impessoal, indescritível, neutro. Pode ser designado como espírito (Atman), alma do mundo, em que o ser humano deve realizar-se.
A salvação representa libertação do eu, libertado de toda metamorfose, da transmigração, completamente absorvido no Bramah-Atman. Os sacrifícios e magia são repudiados. O novo caminho para a liberação é o conhecimento que convida homem a realizar a ação espiritual dentro de si mesmo. A salvação, pois, seria obtida pela especulação filosófica. O caminho da sabedoria ser galgado através da prática da ioga, provocando êxtase consciente ou inconsciente; da devoção (Bhakti) e da renuncia absoluta (Satyam).

O HINDUISMO LEGAL – LEIS DE MANU – As três fases anteriores apregoavam a religião como sendo um assunto de oração, sacrifício ou de especulação filosófica. A salvação neste período seria obtido pela obediência as leis.
O código de Manu se tornou um elemento fundamental para o estabelecimento do hinduismo como religião permanente. É o mais reverenciado e influente entre os hindus. Alguns de seus preceitos morais assemelham-se ao cristianismo.

HINDUISMO DEVOCIONAL – Um dos livros mais apreciados neste período é o Bhagavad-gita. São 18 cânticos inseridos nesse 7º livro do mahabharata. É o mais conhecido, traduzido e meditado entre os livros hindus. Resume o essencial da sabedoria hindu. Consiste em um diálogo entre Krishna (um deus), a oitava encarnação de Vishnu, e o guerreiro Arjuna. Neste período a salvação pode ser alcançada pela devoção a deidade pessoal. Neste é enfatizado a prática da ioga para atingir o Brahma.

HINDUISMO POPULAR – Este período reserva a estrutura estabelecida até então, e inclui duas grandes epopéias: Mahabarata ou “a grande guerra Bharata” e Ramayana ou “a corrida do Deus Rama”, além de oito ou dez puranas.
O hinduismopopular reuniu regras anteriores, criou inúmeras seitas e divulgou a idolatria, possuía muitos templos e santuários para a devoção individual, estimulando as peregrinações a locais espalhados por toda a Índia.

PRINCIPAIS TENTATIVAS DE REFORMAS
1- Mahavira, filho de Rajá hindu, em 557. Seu esforço deu origem ao Jainismo.
2- Gautama Buda, 525 a.C. – Protestava contra o sistema de castas fixas, a salvação,
depende de pagamento aos sacerdotes, excesso de especulação, as cerimônias e a linguagem ininteligível dos hinos sagrados. Daí surge o Budismo.
3- Ram mohien Roy ( 1772 – 1833 ), foi o primeiro hindu a traduzir parte do upanixades
para o inglês. Escreveu uma coleção sobre o novo testamento. Realizou a primeira tentativa de reformar o hinduismo com base do conhecimento do cristianismo.
4- Mohandas Karam Chand Gandhi (1869-1948). Foi cognominado Mahatma (grande
alma). Os upanixades e o Bhagava – gita Eram seus livros de cabeceira. Fundou uma escola monástica onde os alunos dedicavam tempo às orações, à meditação, à leitura
dos evangelhos, do Bhagavad-gita e do corão, além de cantarem hinos cristãos e cânticos hindus. Gandhi participou ativamente da vida política de seus pais e tomou parte de todos os movimentos em prol da independência nacional. Lutava para diminuir a miséria dos intocáveis (o povo pobre). Unindo o cristianismo as filosofias da Índia, praticou um sincretismo característico do neo-hinduismo. Se tornou herói nacional.

HINDUISMO MODERNO – O hinduismo moderno é um fenômeno ativo e complexo. A Índia atual é um estado onde a descriminação religiosa, que só existe no íntimo das pessoas, talvez pelo efeito das castas. Estas castas foram abolidas oficialmente, mas ainda marcam o comportamento individual e social.
O que existe a Índia é uma pluralidade inumerável de comunidades familiares, cada qual praticando seus cultos dentro da tradição herdada. É essa pratica tradicional que justifica as crenças e os ritos. A religião familiar pouco exige do indivíduo. Não há “mandamentos da lei de Deus”, no sentido bíblico da expressão, nem mandamentos da igreja. O que existe é uma devoção individual, uma responsabilidade religiosa cultivada pessoalmente – segue-se a norma eterna –o Dharma – espécie de moral existente no coração de cada.
Existe algumas regras, tais como: Adultério, assassinato e o roubo são pecados, honrar pai e mãe confere méritos.
E existem atitudes específicas dos hindus como: respeito à vaca, devoção a muitas divindades, crença na eficácia dos ritos.

CONTINUA...........

3 comentários:

  1. Querido irmão e professor Vicente,

    A Paz do Senhor!

    Obrigado por ter lido, gostado e postado um comentário no meu blog acerca do artigo: "Contos de pregador ou contos de pescador?".

    Infelizmente, o senhor está certo, muitas "igrejas" estão mergulhadas na superficialidade e hipocrisia, contudo, cabe a nós, amantes da Palavra, não levarmos as nossas mãos na "bacia" dos covardes.

    Que o Soberano continue a vos iluminar.
    Parabéns pelo blog: Reflexões Teológicas

    ResponderExcluir
  2. Amigos.
    Não sou jornalista nem escrevo bem.
    Sou aposentado, recebendo do INSS e tendo o IR descontado na fonte. Não recebo as benesses de nosso apedeuta mor que tem pensão do INSS acima do máximo, isento de Imposto de Renda por se achar perseguido político, ou melhor, por se anistiado político.
    Luto com as armas que tenho que é um blog, como forma de desabafar ao ver tanta roubalheira, falta de ética, falta de honestidade e principalmente falta de vergonha na cara desta quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.
    Quero convidar os amigos a participarem da minha forma de protesto, o blog Brasil – Liberdade e Democracia - http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/.
    Se não levantarmos nossas vozes em protesto o que será deste país para nossos filhos e netos?
    Agora é a hora de lutarmos por uma pátria livre democrática, e sobre todo com governantes honestos e éticos.

    ResponderExcluir
  3. Vicente

    Muito obrigado pela visita ao meu blog. Na verdade este nosso Brasil só vai melhorar quando houver uma verdadeira converção, ou seja uma mudança de vida e de valores. Estamos perdendo nossos valores cristãos.

    A TV já apresenta o adultério, o homexessualismo, e outras coisas abomináveis como normais.

    Isto é totalmente contra a lei de Deus.

    Como os profetas no Antigo Testamento chamavam a atenção dos governantes quando se afastavam dee Deus, nós Cristãos também temos que fazer o mesmo nos dias de hoje.

    Que Deus abençoe o seu trabalho. Estamos precisando muito que o Brasil se volte para o Senhor.

    ResponderExcluir